Benefits of introducing door-to-door separate collection in rural and low populated areas

Resumo: Existe um mito de que nas áreas rurais, e isoladas, a produção de resíduos valorizáveis (embalagens de papel/papelão, metal/plástico e vidro) são pequenos e, portanto, sistema de recolha porta-a-porta não viáveis nestas áreas. Este trabalho descreve a implementação de um teste piloto de recolha porta-a-porta de resíduos valorizáveis ​​secos numa pequena zona rural. Tem como objetivo melhorar o conhecimento sobre os resíduos gerados no meio rural e o impacto nos hábitos de separação na fonte. A estratégia incluiu a introdução de recipientes de resíduos individuais e sacos a nível doméstico com uma recolha porta-a-porta de uma vez por semana. A quantidade de resíduos residuais e valorizáveis ​​secos foi monitorizada, e calculada a composição física. Os resíduos valorizáveis ​​mais do que triplicaram após a implementação da recolha porta-a-porta, de 23 kg/hab/ano para 73 kg/hab/ano. Simultaneamente, resíduos residuais diminuíram de 230 kg/hab/ano para 180 kg/hab/ano. A estratégia seguida neste teste piloto representou um incentivo positivo para os cidadãos e serviços municipais a separarem na fonte e produzirem menos resíduos residuais.

Os resultados deste trabalho podem ser encontrados aqui.

O estudo foi realizado em Sazes do Lorvão, munícipio de Penacova. As metas da Ação da Câmara Municipal de Penacova inserem-se no PAPERSU da ERSUC, onde se pretendia que houvesse um aumento para 46 kg/hab/ano,  até 2020, da recolha seletiva de resíduos valorizáveis (embalagens, vidro e papel) no âmbito dos objetivos nacionais do PERSU2020.

Na Figura seguinte é apresentado o calendário de recolha com os dias e hora da recolha e com informação sobre os materiais que se deviam colocar em cada miniecoponto.

Os autocolantes seguintes foram colocados nos contentores de indiferenciados de forma a sensibilizar a população à reciclagem.