A compostagem é um processo biológico, em que os microrganismos transformam a matéria orgânica, como aparas de relva, folhas e ramos, num fertilizante natural, semelhante à terra, a que se chama composto e cuja finalidade será funcionar como correctivo para o solo e adubo para as plantas.

A compostagem de resíduos verdes apresenta inúmeras vantagens, entre as quais se destaca:

  • Diminuição da quantidade de resíduos a depositar em aterro sanitário
  • Obtenção de um composto, funcionado como correctivo para solos e como fertilizante natural para plantas, o que reduz/elimina a utilização de fertilizantes químicos

Como nem todos os resíduos apresentam a mesma dimensão, de forma a facilitar a sua decomposição pelos microorganismos, o seu tamanho deve ser reduzido.

Para esse efeito, os resíduos de maiores dimensões são reduzidos a pequenos pedaços, por uma máquina estilhaçadora, uniformizando o seu tamanho, para que sejam posteriormente introduzidos nas pilhas de compostagem.

Os resíduos de grandes dimensões, que não são estilhaçados (por exemplo resultantes de podas de árvores) são partidos em achas de madeira e armazenados, para posteriormente serem aproveitados e valorizados transformando-se em energia calorífica para aquecimento das escolas do 1º ciclo do ensino básico. Uma vez nas pilhas de compostagem, ocorre um processo natural de transformação de matéria orgânica.

No entanto, para garantir a sua eficácia é necessário controlar factores como a temperatura e a humidade, o que pode ser feito através da adopção de técnicas simples, como seja a rega das pilhas com água e o seu arejamento através do revolvimento.